Os criadores de Pokémon Go se tornarão a plataforma líder de Realidade Aumentada móvel?

Os criadores de Pokémon Go se tornarão a plataforma líder de Realidade Aumentada móvel?

A Niantic recentemente lançou o Lightship, um pacote de ferramentas que inclui um kit de desenvolvimento em Realidade Aumentada, competindo com a Apple e com o Google e seus sistemas operacionais iOS e Android.

Com uma enorme base de dados mapeados pelo mundo e com informações contextuais, adquiridas de jogos como o Pokémon Go, baseado em tecnologia que roda em dispositivos móveis populares, a empresa entra nesta batalha com uma grande vantagem. Ela será suficiente para tornar a Niantic a plataforma de Realidade Aumentada líder para desenvolvedores móveis?

O lançamento

Em maio, a Niantic lançou oficialmente sua plataforma de desenvolvimento com um novo nome: Niantic Lightship, oferecendo acesso amplo a um novo Kit de Desenvolvimento em Realidade Aumentada (ARDK, na sigla em inglês), habilitando os desenvolvedores a criarem suas próprias aplicações imersivas e criativas em Realidade Aumentada.

Ainda que existam outros ARDKs no mercado, com mais uso e amplitude, incluindo o ARKit da Apple e o ARCore da Google, a Niantic diz ter mais de 13 milhões de pontos de interesse gerados pelos usuários de Pokémon Go entre outros jogos que a empresa vem desenvolvendo desde 2012.

Além de promover o movimento (mais de 17 bilhões de milhas, ou 28 bilhões de kilometros, foram percorridos por seus jogadores) e de promover a interação social no mundo real (encorajando as pessoas a deixarem seus sofás), esse mapeamento colaborativo (ou mesh) é um componente-chave da estratégia de longo prazo da Niantic para se tornar a plataforma líder de Realidade Aumentada.

Pequeno ambiente com alguns móveis é escaneado pela tecnologia de Realidade Aumentada. Podemos ver diferentes polígonos percorrendo as diferentes superfícies ao escaneá-las.
Visualização espacial mesh de um ambiente físico capturado por um dispositivo. Fonte: Microsoft

O que esperar da plataforma

Desenvolvedores de todo o mundo usando Niantic Lightship poderão, por exemplo, criar uma experiência única em uma boulangerie francesa sem nunca terem escaneado as ruas da França.

Esse sistema de ancoragem de conteúdo possibilitará uma melhor exploração e interação social do que aquela oferecida pelos apps de Realidade Aumentada criados utilizando apenas as tecnologias fornecidas hoje por Apple e Google.

Um sistema de posicionamento visual e localização tornará possível guardar e compartilhar dados digitais em uma localização do mundo real, possibilitando dar continuidade ou ainda aumentar esta experiência por outros usuários em um momento futuro.

Uma usuária da Realidade Aumentada mira seu celular para um demonstrativo de produtos dentro de uma padaria.

Inovações adcionais da Niantic

A ativação das interações e experiência imersiva com Realidade Aumentada de forma bem localizada e hiperrealista não nascerá unicamente da base de dados mundial da Niantic.

A empresa está apostando em sua tecnologia de RA, criando uma poderosa API de profundidade (Depth API) que não requer o uso de scanners LiDAR, hoje encontrados apenas em dispositivos avançados, como no iPhone 12 Pro. Isto permitirá ao grande público visualizar conteúdo virtual no mundo real.

A chamada Segmentação Semântica também ajudará os apps a identificarem o que há no ambiente, separando o chão, o céu e as construções da mesma forma que podemos ver nos filtros do Instagram.

Além disso, o Meshing criará mapas 3D contínuos e em tempo real de seu entorno, possibilitando interações realísticas em Realidade Aumentada, como bater uma bola contra a parede.

Um olhar empreendedor

Com todos estes componentes planejados pela Niantic, eles esperam que as pessoas que desenvolvem criarão um melhor conteúdo com Realidade Aumentada, que realmente faça uso do mundo real.

Quando perguntada sobre que tipo de aplicativos esperam ver desenvolvidos, a Gestora de Produto Senior da Niantic respondeu que exploração, interação social e exercícios são o que acham aproveitarão mais os valores trazidos pelo ARDK do Lightship. Ela disse estar muito curiosa com o que a Realidade Aumentada trará para o turismo, e como os usuários poderão explorar o mundo, compartilhar conteúdo e convidar outras pessoas para ver o mundo fisico tomar vida em seus dispositivos.

Ainda que o Cientista Chefe de Pesquisa da Niantic diga não terem planos para trazer o Lightship para os navegadores móveis, o time R2U acredita que a Web AR é a forma mais fácil de os e-commerces aproveitarem a tecnologia, dados os custoss elevados e riscos para o desenvolvimento de um app.

Continuaremos de olho nos movimento da Niantic no universo da Realidade Aumentada, participando do desenvolvimento e uso das próximas gerações de experiência imersiva na web.