You are currently viewing Como construir o metaverso?

Como construir o metaverso?

Muito se tem falado sobre o Metaverso: desde sua definição, passando por seus princípios de base até benchmarks sobre os metaversos existentes. Todos os dias, marcas e marcas lançam coleções digitais exclusivas e muitas outras começam a abrir escritórios do metaverso para expandir sua presença digital.

Créditos: Meta

Com todo esse buzz acontecendo, principalmente devido ao rebranding do Facebook para Meta, as pessoas ainda parecem inseguras sobre o que, exatamente, é o Metaverso, se faz sentido, e como podemos fazer parte dele. Neste artigo, explicaremos quais são os fundamentos do Metaverso e como acreditamos que ele tomará forma em um futuro próximo.

O que é metaverso?

O termo “metaverso” foi mencionado pela primeira vez em um romance de ficção científica de 1992, “Snow Crash”, como uma junção para uma rede de mundos virtuais 3D focados na conexão social. Podemos imaginá-lo como a evolução da internet, onde um mundo virtual único e universal é acessado através do uso de dispositivos de realidade aumentada e virtual, imitando e expandindo o mundo físico.

Mas, para entender sobre o metaverso, precisamos, também, entender os estágios da história da internet. Confira:

  • Os primórdios da internet, ou como é chamada, Web 1.0, eram sobre acessar conteúdo estático, páginas somente leitura, onde os usuários não podiam contribuir para sites de outras pessoas. 
  • A Web 2.0 deu um passo adiante ao adicionar interatividade ao permitir que os usuários publiquem conteúdo e participem de redes sociais, fóruns e comunidades. 
  • A Web 3.0, por outro lado, trata da propriedade digital em um ambiente aberto e descentralizado. 

Enquanto a Web 1.0 foi possibilitada por servidores e infraestrutura dedicados, a Web 2.0 veio com a ampla adoção da computação em nuvem e a Web 3.0, com o blockchain.

O Metaverso é a evolução da Web 3.0, onde há uma série de mundos virtuais descentralizados e interconectados com uma economia totalmente funcional que hospeda os avatares das pessoas e permite que elas façam praticamente qualquer coisa que queiram fazer no mundo físico.

Créditos: Coinbase, “How Coinbase thinks about the Metaverse”

Já não vimos isso antes?

Tudo isso parece muito bom, mas para os desconfiados, não há nada de novo. Já não existem mundos virtuais? Não é apenas uma versão renomeada do Second Life?

De fato, a maior parte do hype sobre o Metaverso não está relacionada a nenhuma inovação técnica ou de produto, mas, sim, à maneira como todas essas tecnologias interagem entre si.

Embora os mundos virtuais existam há muito tempo, nenhum deles foi projetado com a colaboração e a propriedade digital em mente. Jogos como Fortnite e Roblox já receberam muitos eventos virtuais, com grandes nomes como Deadmau5 e Ariana Grande reunindo milhões de fãs nesse ambiente digital. Então, agora você deve estar se perguntando: este é o Metaverso?

Créditos: Marshmello, “Marshmello Holds First-Ever Fortnite Concert Live at Pleasant Park”

Não exatamente.

Acreditamos que o Metaverso completo está a anos de distância, já que suas fundações estão sendo construídas enquanto você está lendo este artigo. Mais precisamente, não haverá apenas um Metaverso, mas sim uma coleção de muitos mundos interconectados, com um extenso conjunto de recursos muito maior do que vemos agora nas soluções atuais. O “bolo” do Metaverso é composto por várias camadas, e as soluções atuais carecem de partes importantes desse bolo para estarem completas.

Construindo o bolo de camadas do Metaverso

As camadas do Metaverso podem ser definidas de várias maneiras, mas as mais importantes são as seguintes:

  • Protocolo  e Consenso: se queremos um mundo onde nenhuma parte terceira tenha controle sobre os dados dos usuários, espera-se que o Metaverso seja construído em cima de tecnologias descentralizadas como o Blockchain.
  • Hardware e infraestrutura: onde esses aplicativos são executados, tanto em nível de arquitetura (5G, GPUs, computação descentralizada), quanto em nível físico (wearables, smartglasses).
  • Interoperabilidade: ferramentas e padrões desempenham um papel importante neste mundo comum e compartilhado.
  • Pagamentos: construídos sobre as camadas de consenso, nenhum intermediário pode possuir o sistema de pagamento, e é por isso que as criptomoedas são obrigatórias para o Metaverso.
  • Regulamentação: embora este ainda seja um ambiente altamente não regulamentado, espera-se que países ou comunidades se adaptem e tragam o que fazer e o que não fazer para o Metaverso.
  • Identidade: como as pessoas se veem e se retratam nesses ambientes virtuais, usando avatares, IDs, logins, metadados e atestados.
  • Casos de uso: o maior impulsionador atual para a adoção do Metaverso é o mundo dos games, mas essa adoção está se expandindo rapidamente para o trabalho, interações sociais, compras e muito mais.

Divulgação: BBC Goodfood, “Layer cake recipes”

Como podemos ver, atualmente não existe uma única solução do Metaverso que adeque prontamente todas as caixas do bolo do metaverso. O ecossistema desse ambiente ainda está em sua infância, e estamos apenas começando a ver vislumbres de como será o futuro.

Como fazer parte disso?

Se você está interessado em fazer parte do Metaverso, junte-se à nossa comunidade e venha conversar conosco. A R2U está construindo o Converge, o primeiro metaverso com um grande foco em conectar metaversos existentes e futuros. A Converge ajudará a preencher a lacuna entre o físico e o digital, reunindo varejistas, usuários, investidores e criadores neste ambiente imersivo onde tudo é possível. Ainda é cedo, e estamos animados para envolver mais pessoas no que o futuro reserva.